terça-feira, abril 20, 2010

DAS COISAS QUE ALARGAM MINHA ALMA

Das coisas que alargam minha alma, quero falar deste escrito que um dia eu li, mas que entranhou-me  profundamente. E foi assim, num livretinho, pequeno, simplesinho, até feinho que  o sorvi daquela maneira e alargou tanto a minha alma. Até então, sempre eu  o orava como ele é, literalmente. O escrito a que me refiro, do livretinho, discorria sobre o Salmo 23. Havia tanto amor na explicação que ambos, autor e Jesus se fundiam  num só. Ele explicava que as ovelhas precisam de pastor porque além de serem meio bobinhas; terem um olfato simples, pouco eficiente, elas ainda enxergavam pouco. Por esta razão, comiam tudo que vinha pela frente e pela  pouca visão, não distinguiam as ervas e os cogumelos coloridos que eram venenosos. Se ficassem sozinhas, elas cairiam nos buracos, comeriam os cogumelos venenosos, se arranhariam nos espinhos, perderiam o rumo do caminho de volta. Daí o pastor ter o cajado com a ponta arcada, como um cabo de guarda-chuva; era para poder puxar a ovelha, que por ventura viesse a cair num buraco, pois havia terrenos lá no deserto  também pedregosos e com buracos que ele precisava atravessar para achar as verdes pastagens. O pastor zelava ardorosamente pela segurança de suas ovelhas, por isso tinha que ser  muito perspicaz; ele passava à frente delas  para retirar as ervas daninhas e os cogumelos venenosos, se houvessem alguns. Na hora da sede, o cuidado era redobrado. Então, para que as ovelhas não adentrassem no rio, pois tendo lã farta, elas se encharcariam e afundariam, ele simplesmente cavava um rego ao lado para que a água ficasse rasinha e elas pudessem bebê-la sem perigo algum de afundarem. Além do cajado, o pastor levava um embornal para colocar, além de sua comida, o unguento para passar-lhes nas feridas que algumas adquiriam, esbarrando nos espinhos. Com o calor e o suor, muitas mosquinhas vinham ao redor do focinho e as pertubavam tanto, que algumas batiam suas cabeças  nas pedras, se ferindo. O pastor as bezuntava com o unguento, para lhes dar algum alívio. Das coisas que alargam minha alma é saber do amor, lindo o amor de Jesus por cada um de nós, suas ovelhas. Com que  cuidados e desvelos Ele cuida de nós. O Senhor é o meu pastor e nada me faltará. Com que fé e segurança agora eu pronuncio esta frase, meu Senhor. Sei que em verdes pastagens me faz repousar; para fontes tranquilas me conduz, e restaura as minhas forças... Ah! Como eu amo o meu Pastor! Ah! Como eu gostaria de reencontrar esse livretinho, porque assim eu faria dele inúmeros presentes para dar às pessoas e quando elas o recebessem se sentissem felizes, tão felizes quanto eu. 

Nenhum comentário: