segunda-feira, maio 02, 2011

Martha Medeiros: "A massacrante felicidade dos outros"

A MASSACRANTE FELICIDADE DOS OUTROS (Martha Medeiros)


Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma.
Estamos todos no mesmo barco.
Há no ar um certo queixume sem razões muito claras.




Converso com mulheres que estão entre os 40 e 60 anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e, ainda assim, elas trazem dentro delas um não-sei-o-que perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem.
De onde vem isso?
Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia: 'Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento'.



Passei minha adolescência com a mesma sensação de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite.
É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são - ou aparentam ser.
Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho...
As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias.
Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas... Então, fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando, na verdade, a festa lá fora não está tão animada assim!


Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma.
Estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente.
Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados.
Prá consumo externo, todos são belos, sexy, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores, enfim, campeões em tudo!
Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia - e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta:
'Nesta era de exaltação de celebridades - reais e inventadas - fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça.'
Mas tem.
Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia.

Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores?
Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige?
Será tão gratificante ter um "paparazzo" na sua cola cada vez que você sai de casa?
Estarão mesmo todos realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está sentada no sofá pintando as unhas do pé?


Favor não confundir uma vida sensacional com uma vida sensacionalista.
As melhores festas acontecem dentro do nosso próprio apartamento...
(Martha Medeiros)
Texto recebido de e-mail, fotos da Net

12 comentários:

✿ chica disse...

Adoro a Martha e ela é de P.Alegre, gaúcha como eu..

.beijos,linda semana,chica

welze disse...

absurdamente maravilhoso. boa semana

Raïssa disse...

Demais.... e ainda colocou o Chuck Bass no post! Arrasou!!! hahahahahahahaha.... Lindo o texto! Bjs

José Maria Lobato disse...

Querida Maria Luiza!!!
Venho agradecer suas palavras de incentivo á minha Loja Virtual, mmmm, quanta gentileza sua, querida amiga!!!
Agradeço ainda a sua vontade em participar no Sorteio, mas para que essa participação fique completa, faltará informar-me seu e-mail nos comentários, bem como escolher antecipadamente o prémio a que deseja se habilitar, de entre todas as peças constantes na minha LOja Virtual, ok???
Fico a aguardar a sua visita para completar a inscrição, muito obrigado!!!
Beijinhos, Zé Maria

REINALDO FONSECA - PASCOM disse...

Olá Maria Luiza! "Com fé nós podemos continuar a caminhar um dia após o outro". Parabéns pelo maravihoso trabalho neste blog!

Reinaldo

Lucinhashomeandgarden disse...

Maria Luiza,

Os textos de Martha Medeiros, são maravilhosos.
Mas agora ficou com um brilho especial diante dessas lindas imagens.
Um grande abraço

margoh werneck disse...

Ahh voce tem um nome que adoro e de quebra temos Rezende com Z (rs) na bagagem e só poderia ter um blog lindo......Te sigo.

Beijos

João Ludugero disse...

Querida Amiga Maria Luiza,
Boa tarde!
Venho agradecer pela sua visita lá no meu blog. Volte sempre, pois a casa será sempre sua. Fiquei muito feliz e te digo mais, é essa força, esse carinho que me faz continuar escrevendo. O que só tenho a agradecer pelo sucesso do meu site. Hoje já conto com maios de duzentos seguidores e cada vez aumenta mais. Isso pra mim é demais gratificante. Agradeço de todo coração. Que bom que gostou do meu poema dedicado à minha mãe. Fiz pensando em todas as mães do mundo e do seu amor incondicional. Ah, nunca pense que está sozinha longe da sua mãe que ora está habitando um outro patamar de luz. Acredite ela olha por ti de onde estiver, a abençoá-la todos os dias. Eu creio nessa magia, nessa força invisível que continua a nos guiar pela vida a fora. Com certeza, nosso anjo da guarda protetor continuo vivo em nosso coração. E nos faz mais fortes. Mãe é um ser sagrado que nunca nos abandona, nem mesmo depois de haver partido para morar no reino da luz. Hiper abraço. Volte sempre. Sou seu amigo.
Sinceramente,
João Ludugero.

Élys disse...

A vida é assim mesmo com as suas alegrias , seus sofrimentos e asim vamos caminhando buscando aprender.
Beijos.

Renata Boechat disse...

Minha amiga,

Tenho feito muita força pra que essas festas ótimas aconteçam sempre dentro de mim...nem sempre é fácil, mas depois dos 40 acho que a gente começa a parar de procurar do lado de fora o que está escondido bem dentro de nós...e percebe finalmente que a grama do vizinho não é nem de longe, mais verde que a nossa!

É trabalhoso, mas perfeitamente possível!

Foi muito bom ter vindo aqui,

Um abraço
Renata

Marili Alves disse...

Nossa, amei seu artigo, parabéns.
Paz e Bem!!!

Felipa disse...

Este texto falou para mim, que estou sempre a pensar que a minha vida é insignificante comparada com as dos vizinhos. Preciso de tirar muitas coisas da cabeça, realmente.
Bj